Saúde
Última atualização:

Atitude na Cabeça e no coração

Doação de lenços e perucas promove a autoestima em pessoas que por algum motivo perderam seus cabelos

Redação Curitiba Altruísta

Todos os dias, milhares de pessoas perdem seus cabelos por diversos motivos. Essa perda, muitas vezes, vem acompanhada de insegurança, tristeza e uma queda na autoestima, principalmente se o paciente perder também as sobrancelhas e os cílios. Mas, é importante saber que existem pessoas que se dedicam a deixar essa fase da vida mais leve, devolvendo a alegria e a autoconfiança dessas pessoas, como faz a ONG Atitude na Cabeça, no bairro Bigorrilho, em Curitiba.

“Uma vez atendi uma moça que estava com câncer, ela não saia de casa há meses já. Enviamos para ela uma peruca, mas não deu certo, ela não gostou, então a sua irmã veio buscar outra que também não deu certo. Pedi para que ela viesse experimentar, com muita reluta ela saiu de casa e veio. Saiu daqui outra pessoa, sorrindo, conversando. Ver isso nos dá um sentimento indescritível”, conta Suely Baldan, idealizadora da ONG.

Segundo a psicóloga Angélica Neris, uma pessoa com baixa autoestima pode apresentar como características a desvalorização, desqualificação, inutilidade, pode ser dependente, se preocupar com a aprovação dos outros para sentir-se valorizada, ter uma postura mais passiva e até ser negligente consigo mesma. “Já a autoestima quando elevada faz com que a pessoa se responsabilize, se comprometa por aquilo que quer para si e, mesmo passando por momentos de frustração, decepção, cansaço, culpa, se sentirá confiante e terá uma postura positiva para enfrentar os desafios, mesmo quando há o risco de não vencê-lo, pois ela sente-se preparada para a vida”, essa é sensação que a ONG quer proporcionar para essas pessoas.

Suely trabalha com venda de roupas usadas e começou o projeto quando sua nora perguntou se ela sabia onde encontrar uma peruca para uma paciente com câncer. Ela nunca teve nenhum caso de câncer na família, mas a sua sensibilidade e carinho pelo ser humano é mais do que suficiente para acalentar corações preocupados. “Muitas vezes, principalmente mulheres, chegam aqui precisando conversar, desabafar e seus familiares também. É algo muito delicado, que exige de nós um amor muito grande. Eu sempre converso muito com elas, às vezes choro junto”, relata.

Kit entregue aqueles que perderam seus cabelos (Foto: Curitiba Altruísta)

Para cada pessoa atendida é montado um kit de acordo com a sua necessidade. Para mulheres que têm câncer de mama, por exemplo, são enviados cinco lenços higienizados, uma almofada especial para ajudar na recuperação pós-cirúrgica, uma prótese externa para aquelas que ainda não fizeram reconstrução da mama, uma peruca de cabelos naturais com instruções de cuidados, um suporte para a peruca e, o mais importante, uma carta de uma pessoa que doou seus cabelos e outra escrita pela própria Suely. “As cartas são escritas à mão para mostrar que alguém se importa com ela. Nesse mundo que tudo é pela internet, tudo é digital, é tão bom receber uma cartinha escrita de próprio punho, não é mesmo?”, opina Suely.

Uma peruca, quando bem cuidada, dura em média 10 anos e pode ser usada por até cinco mulheres, visto que no projeto elas ficam em média dois anos com as perucas. “O momento mais gostoso é quando elas vêm até o meu ateliê e me dizem ‘pronto, muito obrigada’ e eu posso tirar a foto com a mensagem ‘eu venci o câncer, isso é gratificante demais porque eu me sinto parte do processo também’”, emociona-se.

A Atitude na Cabeça faz doações somente de perucas feitas a partir de cabelos naturais. Aqueles que querem fazer doações de seus cabelos devem seguir algumas instruções: o cabelo deve medir pelo menos 20 centímetros de comprimento, deve ser cortado limpo e seco, separado em mechas amarradas firmemente com elástico. Cabelos com tintura, mechas, progressiva ou crespos também são aceitos pela ONG. As doações podem ser entregues pessoalmente ou enviadas pelos correios. Não esqueça de escrever uma carta de apoio às pessoas que perderam seus cabelos.

Acesse o Facebook da ONG para conhecer mais sobre o trabalho.